Desafio Do Balde De Gelo

Teste Anti-Bot Do YouTube

MASHINIMAN – Uma Nova Era

TheBoss NewGame 001 – Sleeping Dogs

Pessoal, uma série secundária em nosso canal sobre jogos atuais. Batizada de TheBoss NewGame (nome da série por Andrey, como de costume), daremos uma espiada aqui e acolá — ou seja, nas principais plataformas — em demos, trials e se um dia conseguirmos um tíquete para um beta privado não perdoaremos: seu gameplay será devidamente capturado para posterior apreciação dos amigos do Cosmic Effect.

Vídeos com menor duração, apenas com trechos do gameplay e alguns comentários acerca do mesmo, como de costume. Talvez um pedido para “aumentar o volume” se a trilha sonora for muito boa, no máximo algo por aí. Espero que gostem e até gostaria de pedir-lhes que divulguem, se possível, em suas timelines.

Nesta primeira incursão, Sleeping Dogs da Square Enix. Pra animar um pouco a conversa, capturei do Xbox 360, PS3 e do PC também. O jogo promete, mesmo com o v-sync desabilitado de sempre do PS3…

TheBoss NewGame 001

Sleeping Dogs

 

* * *

Cosmic Cast #6 – Crysis Not Retro Enough

Mais um vídeo sobre videogames para os amigos que acompanham o nosso blog. Desta vez, abordaremos um pouquinho da história dos First Person Shooters, o gênero que nasceu nos computadores e tomou conta de todas as plataformas, culminando no polêmico Crysis.

O FPS lançado em 2007 deveria salvar os PCs da baixa popularidade que andava sofrendo por conta da presença dos consoles da (então) nova geração – que ofereciam experiências no mesmo nível dos computadores, só que sem os seus problemas. Mas o tiro da Crytek e da Electronic Arts saiu pela culatra: Crysis mostrou os gráficos mais incríveis já vistos num jogo eletrônico, mas era necessário um computador de quase 4000 reais para que se pudesse apreciá-lo. Além disso, muitos bugs da versão de lançamento – cercada de extremo hype, diga-se de passagem – quase o eleva a status de fracasso completo, não fosse algumas análises positivas dadas pela imprensa especializada em jogos para PC.

Três anos se passaram e nós do Cosmic Effect resolvemos dar uma chance ao monstro tecnológico criado pela Crytek: mas sem tocar nos assuntos “placa de vídeo”, “framerate” e “overclock”. Não-fanáticos pelo gênero e apreciadores do bom gameplay, nossa abordagem será puramente gamística – queremos mostrar que há algo a se apreciar neste título, mas ficou escondido atrás de  tanta lamúria. No mínimo, você ficará empolgado ao assistir a abertura mais excitante já vista em um jogo, apresentada no final do vídeo :)

Atrás do monstro e do hype, existe um joguinho legal?

Cosmic Cast

Episódio #6: Crysis Not Retro Enough

Os mesmos 15 minutinhos de sempre em duas partes apenas para garantir melhor qualidade. Quem possuir uma boa conexão, convido a  escolher “720p” no canto inferior-direito do vídeo, tela cheia e aumentar o volume :)

* * *

Pra quem tiver um tempinho, esta versão possui muito mais cenas de gameplay, principalmente do trecho com os alienígenas. Recomendado para fãs hardcore de ficção-científica e da franquia Alien :)

Versão Estendida (45 min)

Nossos canais somente com os vídeos da série Cosmic Cast:

No YouTube
http://www.youtube.com/user/CosmicEffectGaming

No Vimeo
http://www.vimeo.com/user4397129

* * *

Videogame ou Video Game?

Falamos o tempo todo e escrevemos outro tanto. Curiosamente, aqui no Brasil, eu imaginava que a escrita fosse justaposta, fruto da junção dos dois estrangeirismos (e “video” por acaso aqui é estrangeirismo ainda?). Lembro que o Google até corrigia quando se digitava “videogame” e perguntava “Você quis dizer: video game” – fui fazer isso agora pra capturar a imagem mas ele não fez mais…

Será que o correto é video game? Será que há a maneira correta, pela norma culta,  no português do Brasil?

Na Wikipedia em inglês, o termo “videogame” meramente redireciona para “video game”. E por lá, sempre se vê escrito com as palavras separadas. Então dá pra assumir que “o certo”, pelo menos em inglês, é “video game”.

Agora, aqui nas terras tupiniquins… vamos à Wikipedia novamente. Temos uma solitário notinha no final do tópico. Ela diz que o dicionário Houaiss reconhece a forma “videogame” enquanto que o Aurélio apenas como “video game”.

O dinamismo da linguagem, em especial da nossa língua portuguesa, deixa espaço para as duas formas. Pessoalmente, gosto mais de videogame mesmo – assim como a Sigla Editora na década de 90…

Dá-lhe Houaiss e VideoGame! Sorry Aurélio! Ah, videogame tem a vantagem de não nos preocuparmos com acentuação. Já com o nome separado… é “vídeo game” ou “video game”, Aurélio??? :-p

* * *