Anúncios

Retrocrônica: Back To The Future Part III (MD)

O ano era 2007. Combinei uma visita a um amigo de longa data, na qual levaria o meu notebook carregado de emuladores de sistemas antigos, acompanhado de joysticks para podermos jogar uns games clássicos. Lá chegando fizemos a instalação do equipamento na televisão e começamos a jogar.

Fizemos um tour por várias plataformas, sempre degustando aqueles jogos que eram mais memoráveis para nós. Em determinado instante, enquanto estávamos jogando Mega Drive, vi listado o infame Back To The Future III. Comentei com meu amigo que havia alugado aquele jogo na época em que foi lançado e que ele tinha sido uma imensa decepção.

Talvez decepção não seja o termo mais adequado, já que os jogos baseados em filmes realmente costumam deixar muito a desejar, mas o fato é que não podemos esquecer que também existiram aqueles de grande qualidade, como por exemplo Aladdin do Mega Drive, que chamou a atenção pelos méritos técnicos e artísticos.

O excelente Aladdin de Mega Drive

Mas esse texto não é sobre Aladdin. Expliquei para o meu amigo que Back To The Future III tinha gráficos fracos, uma jogabilidade sofrível e uma dificuldade completamente desbalanceada – a primeira fase já era bastante difícil, causando grande frustração. Àquela altura era praticamente obrigatório mostrar-lhe o jogo. Carreguei-o e então começou.

Após a abertura somos levados à primeira fase que consiste em, controlando o Dr. Emmett Brown montado em um cavalo, salvar Clara Clayton que está a bordo de uma carruagem desgovernada. O veículo se dirige em alta velocidade a um precipício e devemos alcançá-lo antes que caia.

Acredite: é um jogo do mesmo console. Bela escolha de paleta de cores, não?

A tarefa do Dr. Brown não é fácil. Partindo para a perseguição, você tem uma série de obstáculos a superar: aves de rapina em rasantes mortais (você deve se agachar para escapar); machados lançados contra você por seres invisíveis (você deve destruí-los com um tiro certeiro); baús e caixotes jogados no caminho (você deve saltá-los com o cavalo); crateras no chão (saltar de novo); caixas de presente voadoras (tiros novamente); pedras rolantes e saltitantes (é preciso agachar) e assassinos a cavalo, que você deve despachar com um tiro.

Como é possível notar, são muitos obstáculos e eles se sucedem em alta velocidade. À medida em que você avança no nível, tudo fica mais rápido e surgem combinações, como por exemplo uma pedra saltitante junto com um baú no chão, ou seja, você deve pular agachando! Isso exige uma boa dose de rapidez. E ainda nem chegamos nas apelações…

Vai que é sua, Dr. Brown!

Por exemplo, no caso do bandido que vem atirando montado num cavalo, é obrigatório matá-lo. Se você troca tiros e se esquiva de modo a passar o tempo e evitar novos obstáculos (enquanto você duela com ele, não há obstáculos), o malfeitor é deixado para trás, mas você não consegue pular o buraco seguinte. O botão simplesmente não funciona.

Outro detalhe bizarro são os itens que aparecem ao longo da jornada. Alguns são marcados com um relógio, que poderiam lhe dar mais tempo, quem sabe o direito de morrer mais uma vez. Mas não. Os itens são absolutamente inúteis e não te ajudam um nada. Apenas te distraem para tomar uma machadada na cabeça ou tropeçar num baú. Isso é tão estranho que fico me perguntando se estávamos realmente compreendendo bem o jogo, mas o fato é que ambos não percebemos qualquer efeito naqueles itens. Algum bug, talvez?

Pegar a calçola de Clara Clayton (!) vale alguns pontos.

Era bizarro, mas naquele momento estávamos nos divertindo genuinamente com aquele jogo, justamente porque ele era ruim. Gargalhávamos quando morríamos vítimas de alguma nova combinação mortal de obstáculos, ou quando percebíamos alguma apelação nova. Tentávamos alternadamente passar a fase. Sempre que um morria, dava vez ao outro. Passamos um tempo nessa hilariante jogatina, até que depois de várias mortes, eu consegui alcançar a carruagem e salvar Clara.

Mas a revolta permaneceu. Por que fazer um primeiro estágio tão difícil? Por que apelar dessa forma? Explico que não sou contra jogos difíceis, muito pelo contrário. Acho que um jogo difícil que possui uma jogabilidade honesta e coerente pode ser extremamente cativante e recompensador. Mas para isso normalmente o game design deve incluir um incremento razoavelmente gradual da dificuldade, ou então só há frustração.

Como exemplo de um jogo difícil, mas que obedece a esses preceitos temos Battletoads. Ainda perto do início somos desafiados também com um nível que tem um rolamento bem rápido da tela, no qual o sapo pilota um jet ski. Mas o jogador leva alguns minutos até chegar ali. Além disso os desafios são grandes, mas totalmente coerentes e sem apelações.

Battletoads do NES: desafio alto, mas com jogabilidade sólida

Ainda em 2007, depois de alguns dias me peguei pensando novamente em BTTF III. E se eu tentasse passar aquela fase novamente? E se como desafio adicional eu tentasse passá-la sem morrer nenhuma vez? Resolvi tentar e após um jogar um pouco, consegui. Confesso que foi bem menos difícil do que eu supunha, talvez pelo treino anterior na casa do meu amigo, talvez pelo fato de não estar gargalhando sem parar. Provavelmente por ambos os motivos.

Para mostrar o feito ao meu amigo gravei a partida em um vídeo e publiquei-o no YouTube. Ele até que ficou impressionado, mas o que chamou a minha atenção mesmo foi o fato de que ao longo desses anos o quantitativo de pessoas que assistiu ao vídeo foi bem substancial: no momento ele tem pouco mais de 20 mil visualizações, mesmo sem qualquer tipo de divulgação. De alguma forma esse obscuro game chama a atenção das pessoas e elas também registram uma série de comentários hilariantes que valem a pena a leitura. Bem, sem mais delongas, o vídeo em questão:

É curioso observar também que o tema que toca durante a fase é extremamente parecido com a canção “Ghost Riders in the Sky”, composta por Stan Jones e que possui uma série de covers famosos, como por exemplo The Ventures e Johnny Cash. Será que pagaram direitos autorais? Bem, essa é outra história…

E você, tem alguma história pitoresca sobre algum jogo que achou difícil e/ou ruim?


Anúncios

Ótimo Jogo, Péssimo Gameplay

Por Eric Fraga.

Todos nós temos aquele jogo favorito que, numa rodinha de jogadores, no meio daquele gostoso papo de qual o melhor jogo que cada um acha, dá aquela vergonha de admitir. Por que não conseguimos assumir? Excluindo o caso de quando o game se chama “Cho-Aniki”, qual o fator que te faz duvidar de sua própria sanidade (sexualidade, no caso do jogo supra-citado…) ao escolher um videogame tão ruim e coroá-lo como um favorito pessoal?

Amigos, acredito seriamente que a resposta está no gameplay. Um péssimo gameplay. Aliado a uma ótima idéia. Que combinação!

Vou começar por um não tão desconhecido e que, inclusive, irá demonstrar minhas fenomenais capacidades de atuação no cinema, na TV e no YouTube. Nosso terceiro vídeo da série Cosmic Cast, falamos sobre o ótimo Bioforge. Abrimos com o Danilo jogando um beat’em up, primariamente conhecido pelos seus péssimos controles – o que, aliado à falta de música durante um jogo em plena era 16 bit, garante momentos bem ruins com o controle do Mega Drive na mão. Esta foi minha linha de diálogo, ao ver Danilo jogando: “Sword of Sodan do Mega Drive? Não tinha nada melhor não???”. Sim, pessoal: eu estava mentindo.

Adoro Sword of Sodan. Na época, aprendi a apreciá-lo pelo “desafio da dificuldade” (apesar de não ser nada impossível), pelos personagens grandes e detalhados e, principalmente, pelo uso de poções, que podiam ser combinadas gerando efeitos diversos – positivos ou negativos – durante as batalhas. Quando joguei um dos melhores RPGs ocidentais já feito, Oblivion, imediatamente lembrei de Sodan (quem diria) quando comecei a fazer poções – claro que em Oblivion a coisa tem muito mais profundidade.

Adoro Cyber-Cop. É um FPS com estratégia para Mega Drive, que lembra muito Deus Ex – você leu corretamente. Original de MS-DOS, Amiga e Atari ST – ou seja, só computadores. O único port para console é justamente este para Mega Drive, única versão que conheci. A jogabilidade é bem complexa: inclui o controle em primeira pessoa do personagem e uso de itens/objetos no cenário bem no estilo adventure. Eu era louco por jogos de MS-DOS, mas ainda não tinha um PC – Cyber-Cop me lembrava os “jogos de computador” da época, justamente por sua complexidade e o jeitão sério. No console da SEGA os gráficos também são 3D, numa janela pequena. Até os objetos do cenário e inimigos são modelos vetoriais, o que deixa o jogo com slowdowns incríveis.

Mas o game apresenta elementos de stealth e espionagem muito interessantes – você é um agente infiltrado numa empresa suspeita de desenvolver robôs para uso ilegal. A partir desta premissa, o gameplay ganhou as características que o tornam similares com Deus Ex, como citado – só que estamos falando de um game de 1990. Dificílimo e desafiador, muito por conta do “painful gameplay” (é o título de um vídeo que achei para demonstrar para vocês, melhor impossível). Na época, terminei várias vezes, locava para o final de semana e jogava todinho. Ah, como tínhamos tempo livre e poucos jogos naquela época…

Adoro Heavy Nova. Este é um jogo para Mega Drive de luta entre robôs – ou melhor, organismos cibernéticos, para não ferir os sentimentos dos bichinhos. Meio beat’em up, meio fighting game – porque no final de cada fase tem um boss com uma luta mais longa. O jogo é muito bem-feito: os personagens são grandes, os cenários são bonitos, a abertura é bem legal e as animações são detalhadas.

Muito detalhadas. A ponto de estragar os controles, pois o seu robô não “desliza”, como é o padrão neste tipo de jogo; cada passo é animado e o controle se torna terrivelmente duro. Virar para o outro lado demora mais do que  nos melhores survival horror. O estrago está feito. Ah, mencionei que as músicas são ótimas? :)

Gosto de E.T. do Atari 2600. Mas não vou entrar em detalhes :)

Torturei* Danilo, Euler e Andrey e eles escaparam com vida do meu interrogatório porque decidiram falar no último instante quais os jogos “favoritos” deles.

Danilo foi o primeiro a confessar:

“Chega, chega, eu falo!!! Too Human, para Xbox 360! Esse jogo veio com meu videogame, fui obrigado a gostar dos controles meio esquisitos e dos gráficos ruins para next-gen! Eu não tive escolha!!! Joguei por meses e acabei gostando, até queria uma continuação! Agora pare de me dar choque!!!”

Euler resistiu um pouco mais, mas eventualmente começou a falar:

“Não aguento mais, tá bom!!! Jet Li: Rise to Honor, para PlayStation 2! É um beat’em up repetitivo demais, mas eu gostava da ambientação, fazia você achar que estava num filme B de kung fu! Me solta, eu já falei tudo que tinha pra falar!!!

Andrey cedeu rápido e me deu dois nomes, mas pediu alto em troca:

“É contra minha vontade, mas admito que Last Ninja 2, do TK90, estragava quase tudo pois em momentos cruciais da ação, era necessário uma volta no teclado para selecionar itens. Rambo II, para MSX, é doloroso jogar porque não usa a diagonal para controlar, como em Ikari Warriors. Ok? Falei tudo. Agora, quero minha imunidade assinada pelo presidente da Tec Toy.”

Danilo, ao escutar o acordo feito por Andrey, grita:

“Ei, ei! Eu quero imunidade também! Er… Nightmare on Elm Street, do NES!!! O jogo não explica o que você tem de fazer, os controles são “moles demais” mas se você colocar ele em minha frente, eu jogo até morrer! Agora… ONDE EU ASSINO???”

Vivemos a sétima geração dos videogames. Como nós do Cosmic Effect jogamos os jogos de ontem e hoje, para fazer jus ao banner do blog, percebemos que os games atuais, quando são ruins, não os são por conta de jogabilidade péssima (com exceção de Too Human?). Eles estão tão polidos neste ponto, os desenvolvedores tentam facilitar a jogatina para “aumentar a quantidade de gamers” que o gameplay acaba sendo fluido e amigável quase o tempo todo. Dá pra arriscar dizer que, as maiores pérolas neste sentido, estão no nosso querido mundo retrogamer. Mais um motivo que enriquece ainda mais e estimula a continuar desbravando o interminável universo dos jogos antigos, caros amigos.

E você, admita para nós: qual jogo você adora e que não tem com quem conversar? AGORA!

* * *

*Nenhum retrogamer sofreu injúrias durante a confecção deste post.