Anúncios

God of War 2 (PS2)

Mais do mesmo. Que ótimo!

Por Eric Fraga

A continuação de God of War lembrou a trilogia Back to the Future: os filmes de Spielberg foram rodados e produzidos de maneira simultânea, incluindo até filmagens para os dois capítulos finais. God of War 2 traz esta impressão – de que foram produzidos quase que ao mesmo tempo, uma vez que apresenta a mesma estética e níveis técnicos praticamente sem diferenças se comparados ao primeiro. Ainda bem, porque neste caso mexer no time que está goleando seria bobagem. Umas adições aqui e ali seriam bem-vindas, para diversificar um pouco. O diretor Cory Barlog, assumindo o posto de David Jaffe (Cory foi designer do primeiro) fez mesmo o que tinha de fazer, agregando valor à série de maneira sutil.

Logo após terminar o primeiro capítulo da trilogia, inseri o DVD do segundo e escolhi new game na maior empolgação. O jogo começa, novamente, bem grandioso, mais até do que o primeiro: em meio a uma fantástica batalha com o Colosso de Rodes. Zeus, não muito satisfeito com Kratos como deus que apoiava os espartanos, envia a Blade of Olympus para o herói espartano – espada esta que acaba drenando os poderes de divindade de Kratos, tornano-o mortal de novo. O rei dos deuses gregos então se mostra o grande inimigo do protagonista, ferindo-o mortalmente e enviando para uma espécie de inferno grego (o “Tártaro”). No caminho de morte, a titã Gaia aparece, cura Kratos e devolve-o a superfície. Novinho em folha – só que mortal – o fantasma de Esparta quer vingança agora do todo-poderoso Zeus. Daí pra frente se dá a longa aventura com as mesmas batalhas numerosas intercaladas por puzzles e mais puzzles da melhor qualidade.

Não demora muito e Kratos, numa luta com Ícarus, arranca-lhe as asas e as absorve: agora, os pulos do espartano permitem pequenos vôos – decisivo nos saltos longos que o personagem precisará executar. Esta nova característica da mecânica do jogo está intimamente ligado à escala dos cenários – realmente muito maior do que o antecessor. Um dos cenários mais fantásticos que já vivenciei em jogos é na Isle of the Fates: cavalos colossais no mar presos à ilha. Estes cavalos ganharão vida, após Kratos resolver o enigma, e arrastarão por algumas centenas de metros a própria ilha que está presa às correntes dos animais gigantes. Tudo devidamente explícito e extremamente bem feito.

Pégasus, o cavalo alado mais famoso da Grécia, torna-se companheiro de Kratos em alguns momentos do jogo. Estas partes representam a maior novidade no gameplay, uma vez você passa a voar em alta velocidade sendo obrigado a lutar com alguns inimigos durante o vôo. É uma ótima adição e não são momentos muito longos, mas diversificam o gameplay um pouquinho. Os QTEs que acontecem durante as sequências de vôo são excitantes, por conta da rápida movimentação do cenário ao fundo.

Algumas mudanças sutis para melhor: o botão utilizado para ações de repetição como abrir portões, foi trocado do R1 para o círculo. Pressionar rapidamente o R1 era penoso, apenas pela má localização do botão para este fim. Kratos agora consegue escalar as paredes e tetos, permitindo explorar caminhos inusitados. Ele também pula enquanto escala, até mesmo para baixo – deixando estas passagens do jogo bem mais dinâmicas.

O tema musical grandioso composto pelos 4 músicos responsáveis está de volta e a mesma abordagem se repete para os momentos em que Kratos está ocupado entendendo o puzzle do cenário: músicas incidentais e sombrias garantem o tom dos enigmas propostos pela mitologia grega do jogo. Um fator bem interessante e que mostra o quanto uma narrativa ajuda na experiência de um determinado jogo: a mitologia grega, os cenários e a proposta da história borbulham enigmas. Para o jogador, o cenário em God of War (1 ou 2… ou 3) é verossímil: não parece que aquela alavanca, ou aquele elevado, ou aquele gancho estão ali pela simples escolha do designer. Você sente que tudo é fruto da história, e realmente é – apesar de que no fundo, obviamente, são escolhas de design. Mas não há como negar que fica mais elegante ser enganado assim :-)

Não falta mais nada para se ter um PlayStation 3. A obra-prima da Sony tem todos os elementos que empresas como Nintendo, Activision, SEGA e demais grandes concorrentes raramente conseguem. Mesmo tendo o “lado colcha de retalhos” (Tomb Raider, Prince of Persia… está tudo aqui), a jogabilidade de  God of War foi elevada ao cubo – e, de quebra, apresenta uma história que poucos jogos de ação/aventura já exibiram. A continuação do original realmente remete a Back to the Future 2: tão bom quanto o primeiro e com mais efeitos especiais. Não podia ser melhor. Quem diria em 1990 que a Sony dos carrosséis de 5 CDs caríssimos faria um dos melhores jogos de videogame de todos os tempos…

SCORE

GAMEPLAY: Pequenas melhorias ao já quase perfeito primeiro capítulo 5/5
GRÁFICOS: A escala dos cenários é soberba, maior variedade na arte do que o original 5/5
SOM: Sons convicentes e em perfeita harmonia com as animações, de novo 5/5
TRILHA SONORA: A música tema de God of War é marcante 4/5
DIFICULDADE: Mais bosses e uns dois puzzles demorados aumentaram a dificuldade 4/5

DADOS

NOME: God of War 2
PLATAFORMA: PlayStation 2
DISPONÍVEL EM: DVD (PS2) e Blu-Ray (PS3, “God of War: Collection”)
ANO: 2007

* * *

Anúncios

8 Respostas

  1. Agora vá de Resident Evil 4!! É do mesmo nível de GOW. Vá por mim.

    Curtir

    • Eu devia ter colocado no post que joguei os dois God of War em sequência pelo hype do terceiro e por você me falando nesse jogo desde 2005 eheheheheh
      RE4 você me fala desde que eu comprei o Wii – “rapaz, jogue este jogo, jogue este jogo, aproveita pra tirar a poeira do Wii” eheheheheh
      Desde os tempos de Goonies eu ouço isso uhauahuahuah

      Curtir

      • se você é old-school como eu, talvez vá gostar mais de GoW mesmo. Devil May Cry, GoW e Ninja Gaiden são todos basicamente velhos side-scrollers em 3D.

        Resident Evil 4 é da nova geração de games e nem o melhor da série: esse continua sendo o excelente RE2 do PS1. Mas ainda é um bom jogo, certamente tecnicamente impecável. Se for jogar, melhor a versão do Wii, já que originalmente era de Gamecube e o Wii trouxe belos controles para tiro e mira…

        aliás, ótimo blog e grande análise dos GoW mesmo. Eu ainda estou pra zerar esse segundo…

        Curtir

        • Sim, exatamente: é a jogabilidade clássica dos 8 e 16 bits, em 3D e com o poderio gráfico e sonoro atuais. Ah, e com muitos combos pra dar a sensação de “complexo” para o jogador :-)

          Curiosamente, nunca joguei nenhum RE completo; sou um órfão dos três primeiros Alone in the Dark (o primeiro Alone deve ter sido o demo de um jogo que eu mais joguei, depois do demo de Doom eheheheh). Sem dúvida jogarei RE4 no Wii pra tirar a poeira do bixinho… é um pretexto, assim como a “prequência” de Dead Space (o “Extraction” que é exclusivo do Wii) – são jogos que fazem eu ligar este console branco.

          Valeu os elogios, joga o segundo GoW até o final que é retorno garantido :-)

          Abração!

          Curtir

  2. Os últimos anos de vida do play2 realmente nos agraciaram com alguns títulos marcantes. Ta certo, eu confesso que não tenho um ps2, mas o do meu primo fritou na minha mão, principalmente jogando Shadow of the Colossus!

    Curtir

    • Shadow of the Colossus – é, Zê, não há mais o que falar sobre ele mas é sempre bom lembrar que quem não jogou e é verdadeiramente gamer tem de passar pela experiência de jogar um jogo que tem sabor de um vinho caro :-)

      Curtir

  3. ei gente como eu abro o peguasus no jogo shopw of the colossus

    Curtir

  4. ei gente como eu abro o peguasus no jogo show of the colossus

    eu errei o show por isso o coloquei o comentario novamente

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: